Textos produzidos por nossos alunos, também considerados fonte de estudo já que os mesmos são acompanhados de comentários dos Professores.

Os alunos do 6o. ano tiveram, como uma das atividades do bimestre, de relembrarem alguns contos de fadas clássicos, estudados por eles no EFI. Mas...tinham de estudá-los sob uma outra abordagem: a da intertextualidade e da paródia. Os resultados foram muito interessantes, criativos e demonstraram que os conceitos foram muito bem desenvolvidos por eles. O texto-base de estudo foi A Princesa e a Ervilha, que foi recontado pelos alunos de maneira inovadora.

aluno coc
O Castor e o Sapo | Susana Beres Correa, 6ºano/EFII

Era tempo de seca, o rio cada vez mais baixo, e o Castor só observando, de repente o Sapo surge de dentro do rio.

O Castor sobressalta e indaga:

- Está maluco, seu Sapo? Quer me matar de susto?

O Sapo diz:

-Por quê?

O Castor responde:

- Porque eu estava olhando fixo para o fundo do rio e você surge, de repente, mas como estão as coisas pelo rio?

O Sapo responde:

- Por aqui, tudo bem, mas lá em cima na cabeceira, tem um monte de humano cutucando a terra.

O Castor diz:

Acho que é por isso que a água do rio está diminuindo. É melhor eu ir trabalhar, seu sapo, antes que seja tarde demais.

Imediatamente o Castor começa a roer as árvores mais próximas do rio, e pacientemente vai dando voltas no tronco da árvore em um trabalho artesanal, até que o tronco se rende e, cai sobre as águas do rio formando um dique.

Junto com eles, outros castores trabalhavam em prol da comunidade, e o Sapo de longe com sua mulher comentava:

-Esses Castores são unidos mesmo, sempre trabalhando para cuidar da família deles e da nossa.

O Castor diz para os outros castores:

Esse dique nos deixará com água por mais algum tempo.

E pacientemente recomeçou seu trabalho em outra área esperando que a natureza fizesse sua parte enchendo o rio, com as águas da chuva.

Moral da história: A união faz a força

aluno coc
A Princesa e a Ervilha | Jéssica Pissinati, 6ºano/EFII

Era uma vez, um príncipe que precisava se casar, pois era o único homem solteiro do reino, e já estava ficando "falado" por conta disso.

Então sua mãe disse que ele tinha que se casar com uma princesa perfeita.

Ele saiu em busca dessa moça, procurou em todo lugar, mas não encontrou a princesa ideal.

Em um dia uma bela moça, com cabelos da cor do ouro e toda arrumada, chegou ao castelo, o mordomo atendeu a porta e comunicou ao príncipe que uma linda moça o esperava.

Ele desceu correndo as escadas, e ao se deparar com a beleza da princesa ficou encantado. Eles passaram o dia todo conversando.

A rainha desconfiada de que a moça era mesmo uma princesa, colocou uma ervilha embaixo de 20 colchões e 20 lençóis e pediu para a moça se deitar.

No outro dia a rainha a perguntou como havia passado a noite e então a moça disse que dormiu super bem. A rainha a expulsou do castelo, pois ela não era sensível o bastante para sentir a ervilha.

Algum tempo depois uma moça em trajes de "rock" chegou ao castelo com uma calça rasgada, coma blusa dos The Beatles e com uma jaqueta de couro, bateu na porta, o mordomo atendeu e não quis deixar a moça entrar.

Porém, ela era muito teimosa, resolveu pular a janela, ela entrou no quarto do príncipe e eles começaram a conversar, e o príncipe se apaixonou por ela a rainha estava novamente desconfiada de que a moça era mesmo uma princesa, colocou novamente uma ervilha embaixo de 20 colchões e 20 lençóis e pediu para a moça se deitar.

No dia seguinte perguntou como a moça havia passado a noite e ela reclamou que havia algo embaixo de seu colchão que a incomodou durante a noite.

Todos perceberam que ela era uma princesa perfeita de verdade, foi sensível o bastante para sentir a ervilha.

Eles se casaram em um show de rock com muita alegria e, claro, música.

E viveram felizes para sempre.

aluno coc
O teste da Ervilha | Isabella Carvalho Hisamoto, 6ºano/EFII

Era uma vez, um príncipe, cuja beleza era encantadora, sua bravura era conhecida e respeitada, e sua felicidade ainda não tinha encontrado. Procurava por uma princesa legítima, com coroa e tudo.

Numa noite de tempestade, chegou uma velha, feia cheia de cabelos brancos, com a roupa estragada, com sapatos imundos, e o pior... seu rímel estava borrado inteiro. A mulher (ou não) bateu com força na porta do castelo do príncipe, onde foi recebida pela rainha, que com gagueira, disse;

-Você está horrível, olha o que a chuva fez contigo! Se quiser entre em nosso castelo, e passe a noite aqui.

-Acho que deve ter confundido as coisas, eu sou princesa, e vim casar-me com seu filho! Além disso, minha roupa estava assim antes da chuva!- disse a suposta princesa.

Então, as duas entraram. Lá a mãe contou tudo ao príncipe, que fez à rainha uma proposta:

-Deixe-a dormir sob vinte colchões, e vinte lençóis, abaixo deles, coloque uma ervilha, somente uma verdadeira princesa sentiria.

E assim foi. A princesa estranhou, mas dormiu. No outro dia, perguntaram como havia dormido, ela disse:

-Vocês não têm melhor colchão, não? Dormi super mal, com dor nas minhas costas!

Todos ficaram de boca aberta, e então, o príncipe , casou-se com ela, e viveu infeliz para sempre!